06/07/15

Jornal Especial do 6B faz sucesso na EMEI Cartola

Por Ednalva Marques de Souza

Sou a professora Ednalva, participei da formação em "jornal impresso" na DRE Capela do Socorro (junho). Ela foi providencial para o desenvolvimento do meu projeto com jornal impresso.

Ao desenvolver o projeto, sentia a necessidade de um direcionamento. E eu o obtive com o curso, realizado pela formadora Thaís Brianezi.

 Vejam abaixo o resultado do projeto. Só houve um pequeno problema: agora as crianças e as famílias querem que o jornal continue!

04/07/15

Revista Fala aí Mestre

As 22 professoras que participaram do curso Produção Jornalística, na DRE Ipiranga,criaram a revista Fala aí, Mestre. Em quatro encontros, elas percorreram todo o processo de produção, da pauta à publicação, passando pela redação, diagramação, edição e finalização das páginas. Tudo construído de forma coletiva e democrática.

03/07/15

Curso de Fotografia - DRE Jaçanã/Tremembé

No último dia 02 de Julho, a formadora Paola Prandini, do Programa Nas Ondas do Rádio, encerrou o curso "Nas Ondas da Fotografia", na DRE Jaçanã/Tremembé.

Após quatro encontros produtivos e com participação ativa de diversos educadores, a turma finalizou a última aula produzindo apresentações de foto-legendas com base nos conteúdos apresentados ao longo da formação. Confira, abaixo, os resultados!






Jornal aumenta união entre comunidade e escola no CEI Benedito Bueno

Por Luciana L. Bonato de Souza

Equipe do CEI Benedito Bueno unida em torno do projeto "Jornal Escolar".Primeira edição foi lançada em maio de 2015.


Estreitar o vínculo com a comunidade e divulgar o trabalho pedagógico desenvolvido foram os principiais objetivos que levaram a Equipe do CEI Benedito Bueno a desenvolver o Projeto “Jornal Escolar”.
A vontade já existia, mas faltava formação, incentivo, talvez coragem! Após participar da formação docente do Programa de  Educomunicação, oferecida pela DRE Pirituba, a Assistente de Diretor Luciana L. Bonato de Souza levou  à Equipe Escolar a proposta de produzir um jornal escolar a fim de criar mais um elo de comunicação com a família e comunidade e também mostrar que o CEI é um lugar onde a criança aprende (e muito) brincando.
Dentro do sistema educacional, o jornal impresso assume cada vez mais um papel importante como meio de comunicação. Um veículo precioso não somente dentro da própria comunidade escolar, mas também entre todos responsáveis pela educação das crianças e no meio em que elas se inserem. Assim, o jornal exerce o papel de registro histórico, sendo um subsídio para a construção da história do CEI.
Ao longo dos últimos anos fomos percebendo que os familiares pouco participavam da rotina escolar das nossas crianças. E ficávamos pensando o que poderia ser feito para que os pais se sentissem mais integrantes e acolhidos pela escola. 
A ideia de produzir o Jornal Impresso foi logo aceita pelo grupo, por ser um meio de comunicação de fácil leitura, prazeroso. E, também, algo a  que todos os familiares teriam acesso, uma vez que as crianças levaram um exemplar para casa.
A dinâmica do processo de construção do jornal é muito simples: as professoras selecionam dentre as atividades desenvolvidas com sua turma, aquela que ela gostaria de relatar. Então, escreveram sua matéria,  escolheram uma foto para ilustrar e entregaram para a Equipe Gestora, que ficou responsável pela diagramação do Jornal.
Para este ano de 2015 o jornal será trimestral, onde vamos compartilhar com a comunidade um pouquinho do que acontece aqui no CEI: projetos, atividades, calendário e matérias informativas.
Nossa primeira edição foi publicada em Maio e abordou sobre o Projeto Politico Pedagógico do CEI, relatos sobre a semana da Páscoa e projetos desenvolvidos pelos agrupamentos. Vejam abaixo o resultado. Foi um sucesso!


27/06/15

Participantes do curso de Jornal Impresso na DRE Capela do Socorro lançam jornal Notícia na Rede

Como resultado do curso Jornal Impresso na Escola”, realizado na Diretoria Regional de Ensino (DRE) Capela do Socorro, nos dias 12, 19 e 26 de junho, nasceu o “Notícia na Rede”. Os 22 professores que participaram do curso produziram o período do começo ao fim: desde a escolha da pauta, apuração, até a diagramação. O belo resultado você pode conferir abaixo!




O curso “Jornal Impresso na Escoa” faz parte do cardápio de aprendizagem do Núcleo de Educomunicação da Secretaria Municipal de Educação de Educação (SME) de São Paulo. Inicialmente conhecido como Programa Nas Ondas do Rádio, as atividades do Núcleo foram iniciadas em 2001, por meio de uma parceria com a Universidade de São Paulo (USP). E se tornaram política pública garantida por lei a partir de 2004.

Durante a formação, os participantes da DRE Capela do Socorro aprenderam com a formadora (e jornalista) Thaís Brianezi como um jornal impresso pode se transformar em um projeto educomunicativo dentro e fora da sala de aula. Eles conheceram o que é notícia, quais os elementos que a caracterizam e também praticaram outras técnicas de jornalismo. Entre elas: como fazer uma entrevista e como redigir um texto informativo acessível aos leitores.

Por meio da produção colaborativa de um jornal, estudantes e professores exercitam a leitura crítica de notícias. Algo que é fundamental na chamada sociedade da informação, na qual estamos submersos em conteúdos jornalísticos.

Além disso, e não menos importante, eles pesquisam e dão visibilidade a projetos, ações e temas da sua comunidade. Contribuem, assim, para aumentar a autoestima e o engajamento de seus membros.

26/06/15

Contra a violência


Em São Paulo, estudantes, professores e gestores têm feito das intervenções positivas uma ferramenta contra a violência que atinge muitas escolas na cidade. 
 
Tema constante entre aqueles relacionados como problema da educação escolar nas últimas décadas a escola vem sofrendo os reflexos da violência que permeia de modo geral o ambiente social. A escola funcionando como um microcosmo da sociedade constitui-se em lócus privilegiado à reprodução da violência seja ela de caráter institucional, simbólico ou físico.  Depredação contra objetos e propriedades quebra de carteiras, cadeiras, portas, vidros, danificação de instalações, intimidações físicas e verbais, ostentação de símbolos de violência constituem-se em algumas das formas mais comuns de violência observadas no espaço escolar.

 


O grafite e o Hip Hop, intervenções contemporâneas dos educandos, estes - crianças, jovens e adultos, vêm contribuindo muito para a preservação do patrimônio e a violência no espaço escolar.

 


E.E. Prof. Eurípedes S. de Paula (Zona Sul de São Paulo) - com a atuação dos artista Matias Picón com alunos do Ensino Médio noturno.




  
Artistas da comunidade ajudam e contribuem com estas mudanças, onde gestão, professores e educandos, compartilham saberes e ideias, transformando o espaço escolar mais humanizados e prazeroso.

 


 Projeto Transformações - trabalhando o grafite nas escolas







Picón e o molde artístico.




Por: Dora Torres; Elide Fernandes; Everton Maurício do Carmo; Kelly C. Leocádio de Góes; Márcia Alves e Rubens Branquinho.




ESCOLAS MUNICIPAIS TÊM QUADRO DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS

Por Débora Trevizo e Janice Silva




Crianças obesas e subnutridas, consumo exagerado e desperdício de alimentos. Esses extremos marcam a atual situação da alimentação nas escolas municipais de São Paulo. É o que nossa reportagem ouviu de alunos e professores da Zona Sul da capital. 

Nas entrevistas, alguns estudantes disseram que comem todo o alimento disponível no prato e ainda repetem. Outros explicaram que as funcionárias colocam mais comida do que gostariam de comer. Houve ainda quem dissesse que quando a comida não está bem temperada, não come tudo e acaba jogando o que sobra no lixo. 

Todos os estudantes concordaram que gostariam que a escola adotasse o sistema “self-service”, para que eles optassem pela quantidade de comida desejada.

Já alguns professores explicaram que existe certo movimento sobre o consumo de comida consciente. Outros mencionaram que em suas unidades escolares pouco se fala sobre o assunto. Todos concordaram que existe grande desperdício. 

Como reverter?


Diante desta situação, uma possibilidade é a realização do curso “Nutrir nas Escolas – educação alimentar e nutricional e prática de atividade física”, sugestão da Secretaria Municipal de Educação, desenvolvido em parceria com a Fundação Nestlé do Brasil. 

O curso busca esclarecer e orientar sobre a obesidade e subnutrição de crianças e adolescentes, desenvolvimento de boas práticas de atividade física e educação alimentar e nutricional nas escolas. Se quiser saber mais sobre a iniciativa, acesse aqui.

CONSUMISMO E DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS SÃO TEMA DE FANZINE

Camilla Zillig, Isabel Santos e Márcia Castro

As professoras Isabel Santos e Camilla Zillig, da EMEI Parque Cocaia II, produziram um fanzine para abordar o tema do consumismo e desperdício de alimentos. O trabalho é fruto do curso "HQ e Fanzine na Escola", do qual ambas estão participando neste mês de junho, na DRE Campo Limpo.

A ideia partiu da necessidade de conscientizar os pais quanto ao consumismo exagerado das crianças e o desperdício de alimentos.
Foi elaborado a partir de pesquisas na internet com imagens que refletem a causa do consumismo infantil, que gera uma alimentação não saudável e leva ao desperdício de alimentos.

FONTE: Google/ imagem /consumismo x desperdício

O tema desperdício de alimentos foi  abordado para criação de uma notícia com a participação da professora Marcia Castro para o curso "IMPRENSA JOVEM TÉCNICAS DE JORNALISMO" na DRE Capela do Socorro, ministrado pela formadora Thaís Brianezi, no qual também participam as professoras Isabel e Camilla.



25/06/15

Participantes do curso HQ e Fanzine na DRE Pirituba experimentam o software HagáQuê



Nesta quarta-feira (24/06), as professoras e professores que estão fazendo o curso "HQ e Fanzine na Escola", na DRE Pirituba, com a formadora Thaís Brianezi, tiveram a segunda aula. O encontro foi dedicado às histórias em quadrinhos: eles conversaram sobre o uso delas na escola, conheceram técnicas de sua linguagem (como o uso dos balões, enquadramento, timing e letreiramento) e, depois, produziram as próprias HQs no computador.

Na conversa que marcou o início da aula, os participantes partilharam muitos exemplos de gibis e fanzines que haviam trazido. A riqueza e a variedade de formatos e conteúdos foi enorme: havia HQs educativas, de adaptação de clássicos da literatura, de entretenimento. O grupo também se debruçou sobre novas abordagens possíveis para a história dos HQs e fanzines no Brasil: o almanaque do Jeca Tatu que fazia a propaganda do Biotônico Fontoura, no início do século passado, e a tradição de literatura de cordel (que tem produção artesanal e autoral como os fanzines e um estilo característico de imagens - as xilogravuras, que podem virar quadrinhos).

Veja abaixo a imagem dos materiais trazidos pelo grupo:



Para a produção dos quadrinhos no computador, a opção foi testar o software livre HagáQuê, desenvolvido pela Unicamp e que já está instalado nos laboratórios de informática das DREs e da escolas. Ele pode ser acessado via imagem "Softwares Educom", na área de trabalho de cada computador.

Leia os belos quadrinhos produzidos pelas professoras e professores:


No terceiro e último encontro do curso, na próxima quarta-feira (01/07), a missão será produzir um fanzine de papel!  

22/06/15

Professores produzem jornais em curso na DRE Santo Amaro

Cerca de 15 professores participaram, durante o mês de junho, do curso “Jornal Impresso” com a equipe do Programa Nas Ondas do Rádio, na DRE Santo Amaro.

Foram três dias de muito aprendizado e troca de experiências entre os educadores. Muitos, inclusive, já estão colocando em prática as dicas adquiridas na formação na implementação dos jornais de suas escolas.

Como produção final do curso, em grupo, os professores elaboraram jornais com diferentes enfoques. Clique nas imagens e confira os produtos: